COMO APROVEITAR AO MÁXIMO O V-RAY PARA SKETCHUP NO ARCH-VIZ

O blogger de arch-viz e artista Alex Hogrefe explica por que o V-Ray para SketchUp é uma inovação para o seu trabalho e como este pode transformar a forma como você visualiza os seus projetos.


Através de "Visualizing Architecture", Alex Hogrefe criou nome enquanto especialista em arch-viz. O seu blog inclui reflexões sobre o mundo do arch-viz, tutoriais acessíveis e os seus próprios renders mais experimentais e divertidos. Desde 2010 que Alex tem também publicado uma série de livros intitulados "VA Portfolio", que catalogam o trabalho exibido no seu blog - e mais - enquanto demonstra as suas habilidades como designer e editor.

Mas isto não é tudo o que o Alex faz. Durante o dia, ele cria renderizações evocativas e experiências imersivas para a empresa de arch-viz Design Distill, incluindo projetos nas áreas de arquitetura, design urbano e paisagem.

Poucas pessoas sabem mais sobre arch-viz e V-Ray para SketchUp (que ele usa em combinação com o Photoshop na criação das suas imagens), por isso convidamos o Alex para compartilhar os seus pensamentos, dicas e conselhos connosco. Ele revela por que o V-Ray para SketchUp é uma inovação para os estúdios de arch-viz e como este pode transformar a maneira como você visualiza os seus designs.



Poderia contar-nos como entrou na arquitetura e na visualização arquitectónica?


Durante o meu crescimento, arte e construção foram sempre um grande interesse meu e, por isso. estudar arquitetura na faculdade foi um caminho natural. Depois de me formar em Ciência na Arquitetura na Universidade Estadual de Bowling Green, fui tirar um mestrado em Arquitetura na Universidade de Miami em Oxford, Ohio. A minha mulher e eu fizemos depois uma grande mudança para Boston para trabalhar para um arquiteto bastante conhecido na cidade.

Depois de vários anos naquele escritório, comecei a sentir que queria mudar as coisas. Foi nessa mesma época que Andrew Hartness me abordou sobre trabalhar com ele no seu estúdio de visualização. Eu sempre gostei de criar imagens, mas sinceramente nunca tinha pensado nisso como opção de carreira na escola - sempre o tratara como um hobby. Foi só quando comecei a praticar arch-viz a tempo inteiro que percebi a paixão enorme que eu tinha por isso.

Pouco tempo após eu e o Andrew nos unirmos, críamos a nossa empresa atual de arch-viz, Design Distill. Neste momento somos uma equipa de oito pessoas e o escritório tem uma dinâmica muito fixe. Cada pessoa traz um nível de habilidade artística e técnica diferente, o que nos permite fazer coisas interessantes e emocionantes para os nossos clientes.




Poderia falar-nos um pouco sobre a sua série de livros "Visualizing Architecture Portfolio"?


Os livros são uma maneira que encontrei de combinar o trabalho do meu site com algum trabalho novo que não está no site, num único lugar tangível. Por mais que eu goste de ilustrar edifícios, estou também muito interessado em design gráfico e no processo de criação de livros. Os livros, essencialmente, pegam nos projetos de arquitetura imaginária que ilustro no meu site, Visualizing Architecture , e organiza-os numa narrativa usando uma infinidade de abordagens gráficas. Há muitas experiências com diferentes estilos gráficos, bem como uma exploração de diferentes paletas de cores, de uma edição para outra.

Os livros do portfolio também me dão a chance de pensar um pouco mais a fundo nos designs arquitectónicos, criar novas imagens onde há lacunas na narrativa e falar sobre o meu trabalho de uma maneira que não faço no meu site. 

Acabei de lançar o Visualizing Architecture Portfolio Volume 05 , que acabou por me levar muito mais tempo do que o esperado para concluir, mas é algo do qual eu realmente me orgulho e a melhor expressão de onde me encontro a nível criativo com a visualização de arquitetura.



Quem são alguns dos seus artistas favoritos de arch-viz, e por quê?


Essa é uma pergunta difícil porque eu geralmente estou interessado em vários tipos de estilos e artistas diferentes. Aprecio o trabalho de Mir por causa do quão bem eles controlam a luz e a narrativa das suas imagens. Gosto do Victor Bonafonte, da Beauty and the Bit, pela forma como ele justapõe sombra e luz nas suas imagens e cria contrastes incríveis. Estou também interessado em saber como estúdios como Doug and Wolf, e Luxigon conseguem inserir um pouco de abstração e paletas de cores únicas nas suas imagens, o que gera uma energia intensa no seu trabalho. 

No extremo oposto do espectro, sempre me interessei pelo trabalho de desenho à mão de grandes nomes como Frank Costantino; a imaginação e técnica nas ilustrações de Lebbeus Woods; a textura e complexidade vistas nos desenhos de Perry Kulper. São tudo estilos muito diferentes, mas cada um me atrai tanto quanto o outro. É por isso que muito do trabalho no meu site varia tanto graficamente. Para mim, isso mantém as coisas interessantes e divertidas.


"...há uma barreira técnica baixa para a entrada de artistas, deixando mais tempo para experimentação e exploração criativa"
Alex Hogrefe, Design Distill and Visualizing Architecture



Como é que a tecnologia mudou desde que você entrou no arch-viz? 


Para mim, a maior mudança foi a simplificação do software e a quantidade de opções de renderização que os artistas agora têm. Não foi há muito tempo que a RV nem era sequer uma possibilidade para a maioria das pessoas. Agora, está já incorporado em muitos render engines. As animações costumavam exigir um exército de computadores; agora, podem renderizar durante a noite com uma única máquina. O software funciona imediatamente, sem a necessidade de ajustar um grande número de configurações. Isso significa que há uma barreira técnica baixa para a entrada de artistas, deixando mais tempo para experimentação e exploração criativa. 





A sua abordagem para apresentar imagens de arch-viz parece bastante holística e não se apoia muito num software em particular. Como escolhe as ferramentas certas para um projeto? 


Eu sempre abordei o arch-viz a partir de uma mentalidade de simplicidade e equilíbrio. Não quero que o pêndulo gire demasiado na direção 3D ou 2D, embora eu tenda a inclinar-me mais para o lado do Photoshop. O software que eu gosto de usar - SketchUp, V-Ray e Photoshop - ajuda-me a manter essa mentalidade simplista ao mesmo tempo que me fornece todos os recursos e ferramentas necessários. 





Poderia explicar-nos o seu workflow no SketchUp e Photoshop?


De um modo geral, eu costumo passar mais tempo no Photoshop do que no 3D. O Photoshop é como eu gosto de adicionar as qualidades humanas de uma imagem, como a imperfeição e a história. Com isso dito, comecei a passar mais tempo no 3D a tentar gerar algumas das "imperfeições" da imagem através de texturas mais pormenorizadas e detalhes de modelação. Mas para o trabalho do meu site o meu tempo é muito limitado, por isso não posso gastar a maior parte dele apenas nalgumas texturas ou detalhes de modelagem.

Estou à procura de uma abordagem equilibrada entre 3D e 2D. Ambos têm as suas vantagens e oferecem flexibilidade de maneiras diferentes. O 3D lida muito bem com complexidade e permite que as ilustrações obtenham uma certa qualidade de alta resolução. O Photoshop, por outro lado, pode preencher grandes quantidades de informação que levariam uma eternidade para modelar. Este também me permite alterar rapidamente de estilo e dar às imagens uma personalidade única. 





"...mudei para o V-Ray porque ele corria dentro do SketchUp como um plug-in e fazia ambient occlusion muito bem. Eu andava super empolgado com ambient occlusion naquela altura. "
Alex Hogrefe, Design Distill and Visualizing Architecture


Como é que criava renders antes do V-Ray para SketchUp? 


Comecei por usar um programa grátis que trabalhava bem com o SketchUp. Isto foi numa altura em que eu estava apenas a começar a perceber de computadores e não tinha ainda padrões muito altos para os render engines. No entanto, percebi rapidamente que o software era muito limitado em recursos e não estava a ser desenvolvido num ritmo rápido o suficiente. Lembro-me de que mudei para o V-Ray porque ele corria dentro do SketchUp como um plug-in e fazia ambient occlusion muito bem. Eu andava super empolgado com ambient occlusion naquela altura. 



"Não nos leva muito tempo para ensinar e habituar os novos membros do staff ao workflow do SketchUp e V-Ray."
Alex Hogrefe, Design Distill and Visualizing Architecture


Quais são as vantagens do V-Ray para SketchUp para arquitetos e pequenos estúdios de arch-viz?


Para o nosso estúdio de arch-viz, Design Distill, é a velocidade de treino. Não nos leva muito tempo para ensinar e habituar os novos membros do staff ao workflow do SketchUp e V-Ray. Além disso, como somos um pequeno estúdio que não faz outsource de nada, precisamos de construir, criar texturas e iluminar modelos rapidamente, especialmente para os nossos projetos grandes de planeamento urbano. O uso de um workflow de SketchUp e V-Ray dá-nos essa velocidade, ao mesmo tempo que nos fornece todas as opções avançadas de renderização que um estúdio como o nosso requer. 


 


Para onde é que você vê o arch-viz a caminhar no futuro?


Essa é a pergunta de um milhão de dólares que eu acho que todos os artistas de arch-viz querem saber. Há muita discussão sobre como os resultados finais irão mudar: talvez menos renderizações 2D e mais experiências tipo RV. Eu costumo pensar mais sobre como os nossos papéis enquanto artistas se irão alterar com o tempo. Parece inevitável que, num período de tempo relativamente curto, o software venha a fazer cada vez mais o trabalho pesado de todos os aspectos do arch-viz, e que os artistas precisem de saber menos sobre o material técnico e mais sobre os elementos humanos, como a narrativa e a composição . 

A IA começar-se-à a inserir em diferentes partes do processo de renderização e a qualidade do nível básico de ilustrações arquitectónicas continuará a aumentar, com o fotorrealismo a tornar-se cada vez mais fácil de obter. Sinto que as coisas irão mudar e deixar de ser sobre quem consegue criar a imagem mais real para quem consegue contar a melhor história. Mais uma vez, as qualidades humanas de uma imagem tornar-se-ão o mais importante.




Há algum conselho essencial para alguém que está agora a começar com o V-Ray para SketchUp? 


A minha primeira sugestão é fazer uso das opções de interactive rendering para adicionar texturas e iluminação. Muitos estudantes e artistas que estão a começar não pensam em usar o interactive rendering como uma forma de ajudar a adicionar texturas e configurar a luz enquanto estão a trabalhar. Parece óbvio para nós na indústria, mas há ainda muitos que pensam na renderização como algo que só acontece mais para o final do processo.

Eu sugeriria também àqueles que estão agora a começar, a adotar uma abordagem equilibrada entre renderização e focar nos fundamentos. Embora seja tentador perderem-se em tutoriais e configurações, é importante pensar sempre na big picture, como o que é que a imagem está a tentar dizer e como é que é composta. Pensar no lado humano das imagens ajuda a orientar-nos onde passar o tempo no lado técnico.



Artigo original em inglês

Traduzido por Maria Duarte

Contacto: hello@vray.pt

Todas as imagens presentes neste site (excepto referentes aos artigos do blog) foram criadas por instrutores ou alunos da Vray.pt e por conseguinte têm os direitos de autor reservados. Qualquer uso das mesmas, seja em formato original ou alterado é proibido. Para obter uma licença de utilização por favor contacte-nos.

© vray.pt 2020. Portugal. Todos os direitos reservados.